#Spanishrevolution? Aonde? Aqui não… Ir al contenido principal

Destacados

Social Street Castelló, nuevas formas y espacios de relacionalidad

Tras crear un grupo cerrado de Facebook para los vecinos, el Grupo San José Obreroy la Plaza Pintor Sorrolla de Castellón se han convertido en los primeros vecindarios adheridos al movimiento Social Street Castellón. 

Social Street es un movimiento ciudadano surgido en las calles de la ciudad de Bolonia (Italia) durante el mes de noviembre de 2013. Desde sus inicios, el objetivo del movimiento Social Street ha sido la socialización del vecindario a través del fomento de relaciones interpersonales que permitanconocer los intereses y las necesidades cotidianas de la gente, compartir experiencias e inquietudes con la gente que vive en deredor, llevar a cabo actividades con un interés mutuo, cooperar en el desarrollo y mejora del vecindario, solucionar problemas de distinta índole, hablar, tomar café, intercambiar puntos de vista, etcétera.... En definitiva, para crear espación de relacionalidad urbana en un mundo cada vez más atomizado, desencarnado e digitalizado.

Como parte del movimient…

#Spanishrevolution? Aonde? Aqui não…

Dilnéia Couto, 06/06/11
A economia mais potente da América Latina e das mais promissoras do mundo ainda engatinha em aspectos tão cruciais como é o comprometimento com o amadurecimento político da sua população.

Enquanto os principais meios de comunicação na Argentina, Chile, Uruguai, Peru, etc. acompanham passo a passo as manifestações da #spanishrevolution, na grande mídia brasileira, que se vangloria por sua cobertura internacional, não se encontra nenhuma misera linha sobre o assunto em nenhum dos grandes meios de comunicação. É assustador ver que nas páginas de amigos brasileiros que sigo no Facebook, por exemplo, somente encontro links de notícias relacionadas com o 15-M publicadas em meios internacionais.

Um país que se orgulha de ser “pluralista” e que defende a bandeira do diálogo internacional como é o Brasil não tem o direito de simplesmente ignorar notícias dessa magnitude, não pode dar-se ao luxo de supôr que esse não é um ‘problema’ também nosso.

Lógico, é mais importante indagar se Palocci (ex-ministro da fazenda no governo Lula e atual ministro chefe da casa civil) fez ou não lobby político, especular de forma irresponsável sobre a possível decadência do governo da presidente Dilma e, questionar se a lei sobre as uniões “homoafetivas” (nome esdrúxulo que se deu as uniões entre pessoas do mesmo sexo) é ou não legitima dadas as manifestações contrárias da bancada evangélica no congresso nacional. Sarcasmo? Com certeza, mas só dessa forma podemos seguir acreditando que no Brasil discutimos assuntos de importância política e que somos um país que acredita na democracia e na defesa dos direitos das minorias.

Por fim, ficam algumas perguntas: Por onde anda a mídia social brasileira? E em que momento se perdeu a responsabilidade com a luta democrática mundial?



Comentarios

  1. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  2. Dilnéia querida, vou tentar participar do seu comentário com o melhor do 'meu português' mas você sabe por experiência que estou 'um poco verde, ainda'.

    Eu não tinha tempo para lhe dar a minha opinião do movimento 15M porque você foi para o Brasil um mês antes da sua 'explosão', mas acho que pode ter uma idéia dela porque me conhece (e nós temos muitas vezes falou sobre problemas semelhantes).

    Sim, é verdade que outros países da América do Sul estão dando um monte de cobertura (eu diria até em demasia), sei de pessoas no Chile ou Argentina que estão a pensar que nós aqui 'estamos lançando o Muro de Berlim'. Mas, na minha humilde opinião, não é.
    O movimento eu acho que faria mais sentido se tivesse sido melhor organizado, se os vários 'grupos sociais' que compõem-lo tiveram sabido que tem em comum e que não, e, claro, seguindo o caminho de paralelepípedos (e às vezes nenhum correta) de legalidade.
    Como eu sempre digo: eu COMPARTILHO as razões, mas NÃO ESTOU A DENFENDER o processo.

    Na verdade eu não sei por que no Brasil estão cercando a mídia até agora, não tive o prazer de conhecer algo mais sobre o seu país que a sua música e sua pessoa (ainda…), mas eu acho que não vai parecer relevante. Além disso, aqui na Espanha 'estão dando muito hype' para o que resta do 'movimento'.

    De qualquer maneira (pensamento político-social em separado). Eu espero que você está bem e não ser demasiado longo para voltar por aqui.

    Espero-te com um par de cervejas pra contar as experiências do verão.
    Um beijo.

    Mario Pedrero González

    (y si no te enteras de nada te envío la traducción jajajajaja).

    ResponderEliminar

Publicar un comentario